• Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon

© 2023 by Networking Talks.  Proudly created with Wix.com

Pensar e jogar com design de imagens:

da "roupaisagem" à construção do moodboard 
INSCRIÇÕES

As imagens são forças sociais que se sedimentam no estilo e na gestualidade. Nesse sentido, a sedução por meio das imagens da moda, por exemplo, funciona como dispositivo de atenção que leva à ação. Desde o início do século XX, o termo look diz respeito ao vestuário imaginado ou sonhado, que adquire dimensão simbólica e apelo comunicativo. No conceito de "roupaisagem", a roupa se oferece como um corredor imaginário de panoramas e passagens carregadas de significação.

 

Diálogos visuais fazem parte da profissão de artistas, designers, estilistas, publicitário(a)s, arquiteto(a)s, lojistas… Para organizar as formas narrativas em espaços físicos ou virtuais, a composição final só será eficaz se cada escolha for planejada; pois o design, antes de fazer, é projetar. Uma das estratégias projetuais para comunicação visual pode ser traduzida no moodboard: uma interface que ajuda a construir metáforas facilitadoras de ideias e conceitos por meio da organização e relação entre imagens selecionadas.

 

Neste curso, a ideia de jogo é fundamental para entender as possibilidades abertas pelas imagens. Para Martim Heidegger (2008), jogar corresponde a sentir, a afinar-se com a experiência. Durante 12 horas fora das ocupações do cotidiano, ao jogar com os conceitos de look e roupaisagem na construção de moodboards, compreenderemos como as operações com imagens consistem em gestos vinculadores com o mundo.
 

"O tédio é um tecido cinzento e quente, forrado por dentro com seda das cores mais variadas e vibrantes. Nele nós nos enrolamos quando sonhamos. Estamos então em casa nos arabescos de seu forro. Porém, sob essa coberta, o homem que dorme parece cinzento e entediado”. (BENJAMIN, 2006, p.145-6)

"Em inglês a palavra design funciona como substantivo e verbo [...]. Como substantivo significa entre outras coisas: ‘propósito’, ‘plano’, ‘intenção’, ‘meta’, ‘esquema maligno’, ‘conspiração’, ‘forma’, ‘estrutura básica’, e todos esses significados estão relacionados a ‘astúcia’ e a ‘fraude’. Na situação de verbo – to design – significa, entre outras coisas ‘tramar algo’, ‘simular’, ‘projetar’, ‘esquematizar’, ‘configurar’, ‘proceder de modo estratégico’." (FLUSSER, 2013, p. 181).

A OFICINA - Carga horária: 12 horas

Sexta (10.05 - de 18h30 às 21h30)

1. Conceitos
1.1 - Look ou ato de vestir-se
1.2 - Roupaisagem
1.3 - Experiência fashion: exercício fenomenológico

2. Gestos que constroem um espaço visual.
2.1 - O jogo de Roger Caillois: competição e regras, simulação ou imitação, sorte, devaneio ou loucura.

3. Desafio da roupaisagem
3.1 - sorteio de temas.
 

Sábado – (11.05 - de 9h30 às 13h)

3.2 - Revelação do desafio da roupaisagem: performar com o vestuário.
 

4. Imagens contemporâneas significativas e sobrevivência das imagens: Panofsky; os estudos de Aby Warburg - a memória (arcaísmo) e a energia latente das imagens.

5. Exercício da caixa de Pandora: a sobrevida nas imagens.   

Sábado – (11.05 - de 13h45 às 18h15)

6. Atividade prática

6.1 - Construção de moodboard (colagens e orientação para produção em plataformas digitais)

6.2. Apresentação para criação de conceito projetual

Quem vai conduzir este mergulho?

CLÁUDIA BUSATO

Semioticista, pesquisadora e professora universitária. Doutora em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP). Mestre em Comunicação e Cultura Contemporânea pela Universidade de Brasília (UnB). Especialista em Psicologia Junguiana (PUC-PARANÁ). Graduada em Psicologia e Filosofia pela Universidade Federal do Paraná. Foi bolsista do CNPq e da Capes. Foi professora de cursos de graduação em Comunicação, Publicidade e Jornalismo em Brasília; e de cursos de pós-graduação da Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília (UnB). Publicou artigos científicos e capítulos de livros e atua em eventos científicos nas áreas de teorias da imagem, semiótica, rádio e moda. Participou da realização de pesquisa de mercado sobre comportamentos de consumo em São Paulo.

ALINE PARADA

Publicitária, designer gráfico e professora universitária. Mestre em Design pela Universidade de Brasília (UnB). Especialista em Design gráfico e Editorial pelo Instituto Europeo di Design (IED). Graduada em Propaganda e Marketing pelo Centro Universitário de Brasília (UniCEUB). Qualificação em Vitrinismo pelo Senac São Paulo; e em Cenografia, Figurino e Maquiagem pela Universidade de São Paulo (USP). Formação em Design de interiores no Centro Paula Souza de São Paulo. Book Building pelo Center for Book Arts - New York.

INSCRIÇÕES