• Escafandro Cursos Livres

Sísifo, suicídio e mídia

Diretrizes para a cobertura jornalística


Por Carol Assunção*, Jornalista, pesquisadora em conteúdo audiovisual, Doutora em Linguística do Texto e do Discurso


"Só existe um problema filosófico realmente sério: o suicídio. Julgar se a vida vale ou não vale a pena ser vivida é responder à pergunta fundamental da filosofia. O resto, se o mundo tem três dimensões, se o espírito tem nove ou doze categorias, vem depois". (Albert Camus)

Tela: Sísifo (1548), de Ticiano


Começo com a famosa abertura do livro de Albert Camus, que sempre me traz alento e esperança quando preciso. Acabo de reler O mito de Sísifo, que é dos meus livros de cabeceira. Recorro a ele em momentos de crise, principalmente porque o autor explica o absurdo da vida de forma encantadora: diante da falta de sentido da existência, temos a possibilidade da revolta, da liberdade e da paixão - que, paradoxalmente, nos levam a sentir que existimos, a ter sentido em viver.


Lembrei-me de compartilhar a referência em função do Setembro Amarelo, embora o assunto mereça discussão e pauta constantemente. O suicídio é questão prioritária de saúde pública para a Organização Mundial de Saúde (OMS), numa era em que a depressão é considerada o mal do século XXI. No Brasil, segundo no mundo em transtornos de ansiedade, observou-se o aumento da taxa anual de mortalidade por suicídio nos últimos anos. Esse indicador nos coloca em oitavo lugar entre os países com maior incidência. Com a tensão e a angústia provocadas pela pandemia da COVID-19, acentuam-se os fatores de risco, como alerta a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS).


No entanto, o tema acaba silenciado pelos tabus e estigmas que o envolvem, quando na verdade é preciso falar sobre. Só assim algumas fronteiras serão diluídas para que as pessoas sintam-se convidadas a pedir ajuda e evitar mortes trágicas.


Mídia e cobertura jornalística


Em jornalismo, o suicídio é um forte tabu. No meu período de graduação e quando trabalhei em redações de telejornais, na primeira década dos anos 2000, a orientação era não noticiar suicídio para evitar que outras pessoas pudessem cometê-lo ao ver a notícia. Essa noção se relaciona ao chamado Efeito Werther, alusão aos suicídios subsequentes à publicação do romance Os sofrimentos do jovem Werther, de Goethe, no século XVIII.


Em Suicídio: informando para prevenir (2014), do Conselho Federal de Medicina (CFM) e Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), há um item dedicado aos mitos do comportamento suicida, entre os quais o da proibição da mídia de abordar o assunto. De acordo com a cartilha, pelo contrário: a mídia tem a responsabilidade social de informar sobre essa questão adequadamente.


A OMS lançou um manual de prevenção do suicídio para profissionais da mídia (2000) com indicação de fontes confiáveis, orientações sobre como noticiar suicídios em geral e em casos específicos, além de como prestar serviços. O texto contém o seguinte resumo:

O que fazer?

  • Trabalhar em conjunto com autoridades de saúde na apresentação dos fatos.

  • Referir-se ao suicídio como suicídio “consumado”, não como suicídio “bem sucedido”. Apresentar somente dados relevantes, em páginas internas de veículos impressos. Destacar as alternativas ao suicídio.

  • Fornecer informações sobre números de telefones e endereços de grupos de apoio e serviços onde se possa obter ajuda.

  • Mostrar indicadores de risco e sinais de alerta sobre comportamento suicida.

O que não fazer?

  • Não publicar fotografias do falecido ou cartas suicidas.

  • Não informar detalhes específicos do método utilizado.

  • Não fornecer explicações simplistas.

  • Não glorificar o suicídio ou fazer sensacionalismo sobre o caso.

  • Não usar estereótipos religiosos ou culturais.

  • Não atribuir culpas.

Vinte anos depois da publicação, com as mudanças trazidas pela internet, não há controle sobre como os veículos realizam a cobertura. Encontrei artigos acadêmicos que podem ajudar a refletir sobre a questão:

O que importa é que a cobertura midiática responsável pode salvar vidas.


Gravei o capítulo final do livro de Camus, em que ele explica o mito grego e a relação de tal narrativa com a vontade de viver. Talvez esta mensagem também afague seu coração. Como defendeu o filósofo: "É preciso imaginar Sísifo feliz".

O CVV – Centro de Valorização da Vida (CVV) realiza apoio emocional e prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo por telefone, email e chat 24 horas todos os dias.


Acesse cartilhas e conteúdos da campanha 2020 do Centro de Valorização da Vida:


Outros links úteis listados pelo CVV.

*Professora do curso:

Video Upload: atualização teórica e prática em jornalismo digital. Mergulho on-line de 5 a 9 de outubro (vagas limitadas, faça já sua pré-inscrição).

Criadora do podcast Trem da Maldade, sobre vilões de filmes e séries.


34 views
  • YouTube
  • Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon

© 2023 by Networking Talks.  Proudly created with Wix.com